Importância da educação ambiental formal para saúde, sustentabilidade e segurança alimentar

Ana Lourdes dos Reis Silva, Helena Vanessa Maria da Silva

Resumo


A educação ambiental (EA) é compreendida como processo através dos quais o indivíduo e a coletividade desenvolvem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente. O presente artigo tem como objetivo mostrar a importância da educação ambiental nas instituições de ensino formal para saúde, sustentabilidade e segurança alimentar. Para o alcance do objetivo proposto foi efetuado pesquisa bibliográfica por meio de levantamentos de artigos científicos, monografias, dissertações, teses e livros que contribuam com as discussões nesse âmbito. Conclui-se que as diversas alterações que os seres humanos causaram e vêm causando na natureza têm feito com que sua relação com o meio ambiente se torne degradante tanto para um quanto para o outro. É a partir desse contexto que se faz necessário refletir sobre ações ambientalmente saudáveis. Quando se fala em segurança alimentar e saúde em moldes sustentáveis o papel da educação ambiental no contexto formal é de suma importância. O descarte consciente de resíduos, toda relação consumo de alimentos e desperdício e a posição do ser humano dentro da relação “como e o que comemos” deve ser discutida. Na educação básica, por exemplo, a EA está inserida no contexto da transversalidade, devendo ser desenvolvida numa perspectiva multidisciplinar. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN’s) orientam que a EA deve destacar os aspectos econômicos, sociais, ecológicos e políticos, permitindo uma visão mais integradora e aprimorada na apreensão das questões socioambientais, pautando-se em atitudes conscientes, conservacionistas e sustentáveis.

 


Palavras-chave


Educação ambiental formal; Saúde; Sustentabilidade; Segurança alimentar

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Albiero, K. A. & Alves, F. S (2007). Formação e desenvolvimento de hábitos alimentares em crianças pela educação nutricional. Revista Nutrição em Pauta, São Paulo, v.15, n. 82, p. 17-21, jan./fev.

Almeida, F. J (2012). Por uma vida sustentável. Disponível em: http://insustentavelmente/noticia/educação/vidasustentavel-respeito-meio-ambiente-acoessimplesescola-discussoes-politicas-filosoficas-560547.shtml>. Acesso: 15 de maio de 2021.

Araújo, S. C. S (1997). A Educação Ambiental e o contexto educacional brasileiro. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) – Núcleo de Pós-Graduação e Estudos do Semiárido, Programa Regional de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA), Universidade Federal de Sergipe. Aracaju.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental (1997). Parâmetros curriculares nacionais: apresentação dos temas transversais / Secretaria de Educação Fundamental. –Brasília: MEC/SEF.

Carvalho, M. B. S. S (2006). Educação Ambiental: A experiência da Escola Municipal Agrícola. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São José do Rio Pardo.

Cassol, A. & Schneider, S (2015). Produção e consumo de alimentos: novas redes e atores. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, São Paulo, n.95.

Dubey, R.; Gunasekaran, A. & Deshpande A (2017). Building a comprehensive framework for sustainable education using case studies. Industrial and Commercial Training, v. 49, n. 1, p. 33-39.

FAO - Food and agriculture organization of the united nations (2010). Biodiversity and sustainable diets united against hunger. Internatio ed. Rome: FAO Headquarters.

Fonseca, J. J. S. (2002). Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC.

Gerhardt, T. E. & Silveira, D. T. (2009). Métodos de Pesquisa. 1. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Jacobi, P. (2003). Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 118, p. 189-205.

Jacobi, P. (2005). Educação ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 233-250.

Lakatos, E. M. & Marconi, M. A. (2003). Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. - São Paulo: Atlas.

Meira, S. A.; Nascimento, M. A. L. do; Medeiros, J. L. de & Silva, E. V. da. (2019). Aportes teóricos e práticos na valorização do geopatrimônio: estudo sobre o projeto Geoparque Seridó (RN). Caminhos de geografia, Uberlândia-MG, v. 20, n. 71, p.384-403.

Mochizuki, Y. & Fadeeva, Z. (2011). Competências para o desenvolvimento sustentável e sustentabilidade importância e desafios para a EDS. Revista Interfacehs, v. 6, n. 1, abr.

Mousinho, P. (2003). Glossário. In: Trigueiro, A. (Coord.) Meio ambiente no século 21. Rio de Janeiro: Sextante.

Ribeiro, H.; Jaime, P. C. & Ventura, D. (2017). Alimentação e sustentabilidade. Estudos Avançados, v. 31, n. 89, p. 185–198.

Rodríguez, J. M. M. (2014). Educação ambiental em foco. 1 ed. Dias, L. S. (Org.). Associação Amigos da Natureza (ANAP): Tupã.

Ruy, R. A. V. (2004). A educação ambiental na escola. Revista Eletrônica de Ciências, v. 12, n. 26.

Santos, A. (2017). Percepção Ambiental de Alunos de Ensino Fundamental sobre o Ecossistema Manguezal. 2017. 114 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Núcleo de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão.

Sorrentino, M.; Trajber, R., Mendonça, P. & Junior, L. A. F. (2005). Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 285-299.

Spironello, R.L.; Tavares, F. S. & Silva, E.P. (2012). Educação ambiental: da teoria à prática, em busca da sensibilização e conscientização ambiental. Revista Geonorte, v.3, n.4, p.140-152.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 ANA LOURDES DOS REIS SILVA, HELENA VANESSA MARIA DA SILVA

ISSN: 2675-3782

Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn