Aulas de campo em Estação de Tratamento de Efluentes domésticos e sanitários: uma alternativa didática no curso de Ciências Biológicas

Paulo Ricardo Batista, Francisca Palloma Matias Vila Nova, Isabel dos Santos Azevedo, Sara Tavares de Sousa Machado, José Laécio de Moraes

Resumo


O presente artigo tem por objetivo descrever uma experiência exitosa de aula de campo no trato da Educação Ambiental inerente a visita em uma estação de tratamento de esgoto, a partir das percepções de discentes do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas. Espera-se que haja uma reflexão sobre as contribuições dos espaços não formais no ensino superior e o fomento a aprendizagem significativa no que concernem as temáticas ambientais. O espaço formativo visitado durante a aula campal compreendeu estruturas sanitárias da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (CAGECE) localizada no Bairro Juvêncio Santana em Juazeiro do Norte, Ceará. O processo de coleta e tratamento dos dados seguiu de acordo com a técnica de análise qualitativa fruits trail (trilha de frutos), desenvolvida pelos autores deste trabalho como alternativa metodológica na construção de relatos de experiências. A vivência exitosa culminou em um rol extenso de saberes (re)construídos, significativamente, no contexto da formação dos discentes redatores deste trabalho. Possibilitou interligar os distintos conteúdos vistos em salas de aula, de forma segregada, no Curso de Ciências Biológicas, a uma temática central, mediada pelo uso da aula de campo.


Palavras-chave


Espaço Não Formal; Educação Ambiental; Saneamento Ambiental; CAGECE

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Araújo, F. C. B. P. (2008). A influência da CAGECE sobre a taxa de incidência de doenças de veiculação hídrica (hepatite viral) nos municípios cearenses. Dissertação de mestrado, Mestrado em Economia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, 101 p., Brasil.

BRASIL. Lei nº 9.795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e da outras providências. 1999. Disponível: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9795.htm. Acessado em: 30 de abril de 2020.

BRASIL. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. 2016. Disponível em: http://www.conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf. Acessado em: 20 de agosto de 2020.

Carneiro, D. A., & Gariglio, L. P. (2010). A biorremediação como ferramenta para a descontaminação de ambientes terrestres e aquáticos. Revista Tecer, 3(4), 82-95.

Castro, M. C. A. A. (2001). Avaliação de um Sistema Australiano de lagoas no tratamento conjunto de esgoto sanitário e líquidos percolados gerados em aterro sanitário. Tese de doutorado, Doutorado em Hidráulica e Saneamento, Escola de Engenharia de São Carlos – Universidade de São Paulo, São Carlos, SP, 248 p., Brasil.

Daltro, M. R., & Faria, A. A. (2019). Relato de experiência: Uma narrativa científica na pós-modernidade. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 19(1), 223-237.

Di Bernardo, L.; Brandão, C. C. S.; & Heller, L. (1999). Tratamento de águas de abastecimento por filtração em múltiplas etapas [recurso eletrônico]. Rio de Janeiro: ABES/PROSAB, 114 p.

Hespanhol, I. (2015). Reúso potável direto e o desafio dos poluentes emergentes. Revista USP, (106), 79-94.

Jacobucci, D. F. C. (2008). Contribuições dos espaços não-formais de educação para a formação da cultura científica. Em Extensão, 7, 55-66.

Junqueira, M. E. R., & Oliveira, S. S. (2015). Aulas de campo e Educação Ambiental: potencialidades formativas e contribuições para o desenvolvimento local sustentável. Revista Brasileira de Educação Ambiental (Revbea), 10(3), 111-123.

Mariano, A. P. (2006). Avaliação do potencial de biorremediação de solos e de águas subterrâneas contaminados com óleo diesel. Tese de doutorado, Doutorado em Geociências e Meio Ambiente, Instituto de Geociências e Ciências Exatas – Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, SP, 162 p., Brasil.

Moraes, D. S. L., & Jordão, B. Q. (2002). Degradação de recursos hídricos e seus efeitos sobre a saúde humana. Revista de Saúde Pública, 36(3), 370-374.

Nascimento, P. T. B., Mendes, T. G. L., Bezerra, J. M., & Andrade, C. F. F. (2018). Educação Ambiental e projetos interdisciplinares: um olhar sob os anos finais do ensino fundamental. Revista Brasileira de Meio Ambiente, 2(1), 18-26.

Nuvolari, A. (2011). Esgoto sanitário: coleta, transporte, tratamento e reuso agrícola (2. ed.). São Paulo: Blucher, 562 p.

Paiva, A. B., & Sudério, F. B. (2019). Aulas de campo interdisciplinares como estratégias formativas para docentes de Ciências e Biologia. Scientia Plena, 15(8), 1-10.

Pereira, A. R. B., & Freitas, D. A. F. (2012). Uso de microorganismos para a biorremediação de ambientes impactados. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 6(6), 995-1006.

Ribeiro, H., & Günther, W. M. R. (2002). A integração entre a educação ambiental e o saneamento ambiental como estratégia para a promoção da saúde e do meio ambiente sustentado. p. 1-8. Disponível em: . Acessado em: 30 de abril de 2020.

Ritter, C. M., Curti, S. M., & Valderrama, P. (2013). Monitoramento mensal da presença de detergentes não biodegradáveis e resíduos de óleos comestíveis nas estações de tratamento de esgoto da cidade de Campo Mourão, Paraná. Revista Tópos, 7(1), 51-57.

Rodrigues, F. P. (2005). Utilização da técnica da biorremediação em sistemas de esgotamento sanitário. Aplicação na cidade de Juazeiro do Norte, Ceará. Tese de Mestrado, Mestrado em Engenharia Civil, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, 90 p., Brasil.

Santana, A. C., & Freitas, D. A. F. (2012). Educação Ambiental para a conscientização quanto ao uso da água. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 28, 178-188.

Santos, F. F. S., Daltro Filho, J., Machado, C. T., Vasconcelos, J. F., & Feitosa, F. R. S. (2018). O desenvolvimento do saneamento básico no Brasil e as consequências para a saúde pública. Revista Brasileira de Meio Ambiente, 4(1), 241-251.

Silva, G. D., Marinho, A. O., Machado, M. K., & Hoefel, J. L. M. (2019). Aulas de Campo como instrumentos para difusão da Sustentabilidade. Momentum, 1(17), 1-17.

Silva, M. S., & Campos, C. R. P. (2017). Atividades investigativas na formação de professores de ciências: uma aula de campo na Formação Barreiras de Marataízes, ES. Ciência & Educação (Bauru), 23(3), 775-793.

Tortora, G. J; Funke, B. R; & Case, C. L. (2012). Microbiologia (10. ed.). Porto Alegre: Artmed, 934 p.

Tundisi, J. G. (2008). Recursos hídricos no futuro: problemas e soluções. Estudos Avançados, 22(63), 7-16.

Von Sperling, M. (2005). Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos: princípios do tratamento biológico de águas residuárias (3. ed.). Belo Horizonte: UFMG, v. 1, 452 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 PAULO RICARDO BATISTA

ISSN: 2675-3782

Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn