Educação Ambiental popular como estratégia de convivência com o semiárido: uma proposta formativa para a comunidade do Sítio Angico Torto, Santana de Mangueira (Paraíba)

Maria José Soares de Lima, Hugo da Silva Florentino

Resumo


Objetivou-se nessa pesquisa analisar a contribuição de práticas de educação ambiental popular na desconstrução de representações sociais do Semiárido. O estudo foi realizado no ano de 2019 com cinco crianças de 7 a 13 anos de idade de uma comunidade do Sitio Angico Torto, Santana de Mangueira – PB, através de uma abordagem quali-quantitativa com ênfase no estudo de caso, em três momentos: I diagnóstico (Pré-teste), II intervenção, III avaliação (Pós-teste). Os resultados indicaram que no pré-teste as crianças fizeram relação de meio ambiente e Semiárido à aspectos relacionados à natureza e à clima, já no pós-teste estes conceitos migraram para lugar de possibilidade e lugar para viver. As crianças alcançaram um progresso conceitual sobre aspectos da própria realidade, no entanto, ainda possuem uma visão limitada da realidade em que vivem.


Palavras-chave


Educação ambiental popular; Educação Contextualizada; Semiárido.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ABÍLIO, Francisco José Pegado et. al. Bioma Caatinga: caracterização e aspectos gerais. In: ABÍLIO, Francisco José Pegado (Org.). Bioma caatinga: ecologia, biodiversidade, educação ambiental e práticas pedagógicas. João Pessoa: Editora Universitária – UFPB, 2010a.

ABÍLIO, Francisco José Pegado et. al. Convivência no semiárido: as populações humanas no contexto do bioma caatinga. In: ABÍLIO, Francisco José Pegado (Org.). Bioma caatinga: ecologia, biodiversidade, educação ambiental e práticas pedagógicas. João Pessoa: Editora Universitária – UFPB, 2010b.

ABÍLIO, Francisco José Pegado et. al. Fauna na caatinga. In: ABÍLIO, Francisco José Pegado (Org.). Bioma caatinga: ecologia, biodiversidade, educação ambiental e práticas pedagógicas. João Pessoa: Editora Universitária – UFPB, 2010c.

ABÍLIO, Francisco José Pegado et. al. Impactos ambientais na caatinga. In: ABÍLIO, Francisco José Pegado (Org.). Bioma caatinga: ecologia, biodiversidade, educação ambiental e práticas pedagógicas. João Pessoa: Editora Universitária – UFPB, 2010d.

BARBOSA, Maria Regina Vasconcellos et. al. Vegetação na caatinga. In: ABÍLIO, Francisco José Pegado (Org.). Bioma caatinga: ecologia, biodiversidade, educação ambiental e práticas pedagógicas. João Pessoa: Editora Universitária – UFPB, 2010.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Resolução Nº 115, de 23 de novembro de 2017. Brasília, DF, nov. 2017. Disponível em: http://www.sudene.gov.br/images/arquivos/semiarido/arquivos/resolucao115-23112017-delimitacaodosemiarido-DOU.pdf. Acesso em: 11 de Set. de 2019.

BRASIL. Lei n° 6.938, de 31 de agosto de 1981. Política Nacional de Meio Ambiente. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6938.htm. Acesso em: 19 de Set. de 2019.

CAPRA, Frijof. O ponto de mutação: a ciência, a sociedade e a cultura emergente. 21. Ed. São Paulo: Cultrix, 1999.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2012.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Qual educação ambiental? Elementos para um debate sobre educação ambiental e extensão rural. Agroecol. E Desenv. Rur. Sustent. Porto Alegre, v.2, n.2, abr./jun.2001.

CARVALHO, Paulo Gonzaga Mibielli et. al. Políticas públicas para meio ambiente no semiárido brasileiro. Revista Iberoamericana de Economía Ecológica v. 12, 2009.

CENDALES, Lola. MARIÑO, Germán. Educação não-formal e educação popular: para uma pedagogia do diálogo. Edições Loyola, São Paulo, Brasil, 2006.

DUQUE, Ghislaine. Conviver com a seca”: contribuição da Articulação do Semi-Árido/ASA para o desenvolvimento sustentável. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Editora UFPR, n. 17, p. 133-140, jan./jun. 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 58. ed. rev. e atual. – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire; [tradução de Kátia de Mello e silva; revisão técnica de Benedito Eliseu Leite Cintra]. – São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

GADOTTI, Moacir. Pedagogia da Terra: Ecopedagogia e educação sustentável. Disponível em: www.antroposmoderno.com/word/pedadaterra.doc. Acesso em 20 de agosto de 2019.

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal, educador(a) social e projetos sociais de inclusão social. Meta: Avaliação, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 28-43, jan./abr. 2009.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - PNAD Contínua. Analfabetismo cai em 2017, mas segue acima da meta para 2015. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/21255-analfabetismo-cai-em-2017-mas-segue-acima-da-meta-para-2015. Acesso em: 12 de Out. de 2019.

MACHADO, Ana Maria. Menina Bonita do Laço de Fita. 9 ed. – São Paulo: Ática, 2011.

MALVEZZI, Roberto. Semi-árido - uma visão holística. Brasília: Confea, 2007.

MATTOS, Beatriz; KUSTER, Angela (orgs). Educação no contexto do semi-árido brasileiro. Fortaleza: Fundação Konrad Adenauer, 2004.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

PEREIRA, Suellen Silva. CURI, Rosires Catão. Meio Ambiente, Impacto Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceituações Teóricas sobre o Despertar da Consciência Ambiental. REUNIR - Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade – v. 2, Set - Dez/2012.

QUEIROZ, Danielle Teixeira; VALL, Janaina; SOUZA, Ângela Maria Alves e; VIEIRA, Neiva Francenely Cunha. 2007. Observação participante na pesquisa qualitativa: conceitos e aplicações na área de saúde. Enferm UERJ, Rio de Janeiro, abr/jun; 15(2):276-83.

REIGOTA, Marcos. Fundamentos teóricos para a realização da educação ambiental popular. Brasília, v. 10, n. 49, jan./mar. 1991

RESAB. Rede de Educação do Semi-árido Brasileiro. Secretaria Executiva. Diretrizes de Educação para a convivência com o semi-árido Brasileiro. Juazeiro-BA: Selo editorial - RESAB, 2006.

SANTOS, Bernadete Mariene Carneiro et. al. Construindo saberes para a educação contextualizada: desenvolvimento sustentável e convivência com o semiárido. Feira de Santana, Bahia, 2011.

SAUVÉ, Lucie. Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: uma análise complexa. Revista de Educação Pública,Cuibá, v 6, n 10, p.72-102, 1997. Disponível em http://www.ufmt.br/revista/arquivo/rev10/educacao_ambiental_e_desenvolvim.html

SILVA, Adelaide Pereira. O conceito de educação contextualizada na perspectiva do pensamento complexo — um começo de conversa. Texto apresentado como apoio ao Curso de Espacialização Em Educação Contextualizada para a Convivência com o Semiárido Brasileiro ofertado pelo CDSA — Campus de Sumé (UFCG) nos dias 4 e 5 de junho de 2010.

THIOLLENT, Michel Jean Marie. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1985.

TRIVIÑOS, Augusto. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

Yin, Robert K. Estudo de Caso: Planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Maria José SOARES Soares de Lima, Hugo da Silva Florentino

ISSN: 2675-3782

Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn