A preservação do meio ambiente: um desafio social, ético e global na educação

Marcelo Damiano, Maria Olímpia de Oliveira Rezende, Juliana Nakamoto Arai, Rafaela Bruno Ichiba

Resumo


A deterioração ecológica nos últimos anos se intensificou, devido ao uso indiscriminado de recursos naturais. Esse fato, aliado à falta de políticas públicas que visem o gerenciamento dos recursos naturais afeta o equilíbrio do ecossistema e a saúde humana. Esse artigo, tem o objetivo de promover uma discussão sobre a necessidade de se inculcar nas novas gerações noções de responsabilidade social e ética ambiental como forma de integração das pessoas no ambiente que considere práticas sustentáveis de vida. Para isso, destaca-se o papel da Educação Ambiental como ferramenta para se consolidar uma sociedade mais saudável e socialmente mais justa. A metodologia de pesquisa se consistiu em uma revisão bibliográfica sobre a temática realizada em bases de dados digitais. Com isso pretende-se dialogar sobre essas questões de forma que se supere praticas pedagógicas conservadoras e despolitizadas, e se alcance o ideal de Educação Ambiental crítica necessária para a vida coletiva.


Palavras-chave


Educação Ambiental, Ética, Sociedade.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Avzaradel, P. (2013). Ética e educação ambiental: um diálogo necessário. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/rdc/article/view/9724. Acessado em: 08 de agosto de 2020.

Aydos, E. H., Yagci, E. (2015). Examination of the Teacher Candidates’ Environmental Attitudes via NEP Scale in terms of Different Variables. Journal of Education in Science, Environment and Health 1 (1), 20-27.

Barcelos, V. (2010). Educação Ambiental: Sobre princípios, metodologias e atitudes. Petrópolis, RJ: Vozes.

Barchi, R. (2016). Educação Ambiental e (eco) governamentalidade. Revista Ciência e Educação 22 (3), 635-650.

Battestin, C., Nogaro, A., Ceruti, E., (2015) Meio ambiente e sociedade: uma relação a ser pensada a partir da vida. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reget/article/viewFile/19196/pdf. Acessado em: 11 de agosto de 2020,

Braga, A. L. F., Conceição, G. M. S., Pereira, L. A. A., Kishi, H. S., Pereira, J. C. R., Andrade, M. F., Gonçalves, F. L. T., Saldiva, P. H. N., Latorre, M. do R. D. de O., (1999). Air pollution and pediatric respiratory hospital admissions in São Paulo. Journal of Environmental Medicine, (1), 95-102.

Branchier, A. S., Tesolin, J. D. D. (2006). Direito e legislação aplicada. (3a ed.) Curitiba: Ibpex.

Brasil. (2013). Ministério da Educação. Manual escolas sustentáveis. Disponível em: . Acessado em: 29 de julho de 2020.

Brasil. (1997). Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Temas Transversais. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro081.pdf. Acessado em 13 julho. 2020.

Brasil. (2000). Ministério do Meio Ambiente. Agenda 21 Brasileira: bases para discussão. Disponível em: . Acessado em: 20 de julho de 2020.

Brasil. (1999). Ministério do Meio Ambiente. Lei nº 9.795/99 de 27 de abril de 1999. Institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Disponível em: . Acessado em: 21 de julho de 2020.

Bueno, R. de L., Arruda, R. A.de. (2013). Educação Ambiental. Revista eventos pedagógicos, 4 (2), 182-190.

Carson, R. (2013). Primavera Silenciosa. São Paulo: Gaia.

Carvalho, I. C. de M. (2017). Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. Cortez.

Cavalcanti, C. (2001). Condicionantes biofísicos da economia e suas implicações quanto à noção do desenvolvimento sustentável. In Romeiro, A. R. & Reydon, B. P. & Leornardi, M. L. A., Economia do Meio Ambiente. Campinas: Unicamp.

Dias, G. F. (2004). Educação Ambiental: Princípios e Praticas. (6a ed.) São Paulo: Gaia.

Franco, A. R., Morais, G. A. C. de, Neto, J. D., Lopes, J. C. C., Leucas, H. L. B. de, Guadalupe, D. C., Barros, M. D. M. de. (2012). Estudo de percepção ambiental com alunos de Escola Municipal localizada no entorno do Parque Estadual da Serra do Rola-Moça. Ambiente & Educação, 17 (1), 155- 175.

Guimarães, M. (2004). Educação ambiental crítica. In: BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: MMA, p.25-34.

Godecke, M. V., Naime, R. H., Figueiredo, J. A. S. (2012). O consumismo e a geração de resíduos sólidos urbanos no Brasil. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 8 (8), 1700 -1712.

Grün, M. (2016). Ética e educação ambiental: a conexão necessária. (15a ed.). São Paulo. Papirus.

Jacobi, P. (1999). Poder local, políticas sociais e sustentabilidade. Saúde e sociedade, 8 (1), 31-48.

Jacobi, P. (2003). Educação Ambiental, Cidadania e Sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, 118, 189-205.

Medina, N. (1997). Breve histórico da educação ambiental. In: Pádua, S. M., Tabanez, M. F. (Org). Educação ambiental: caminhos trilhados no Brasil. Brasília: IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas.

Oliveira, A. B., Baldin, N. (2015). Estudo sobre o manuseio de embalagens contaminadas – tambores metálicos: uma prática de educação ambiental na indústria. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, 38 (1), 123-136.

Santos, M. A., Schettino, S. C., Bastos, I. A. da H. (2013). Educação Ambiental em unidades de conservação: o caso da área de proteção do morro do Urubu. Revista Processos Identitários e Poder, 1 (1).

Tavares, A. O. do C., Filho, S. S. A. (2011). Aplicações da Pegada Ecológica no Brasil: um estudo comparativo. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, 21, 54-64.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Marcelo Damiano, Maria Olímpia de Oliveira Rezende, Juliana Nakamoto Arai, Rafaela Bruno Ichiba

ISSN: 2675-3782

Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn