Ações de Educação Ambiental no contexto da Educação Profissional: implantação de uma comissão de meio ambiente e qualidade de vida (COM-VIDA) no CETEP sisal

Jackeline Lisboa Araújo Santos, Silvanei Leandro Carneiro

Resumo


Na busca por soluções que apontem para uma transformação socioambiental no cenário atual, a educação é o pilar mais forte para mudanças. As escolas podem ser referências de um modelo de práticas sustentáveis, proporcionando que diferentes pessoas atentem para as questões ambientais e compartilhem conhecimentos e experiências na base do diálogo e da interação. Desta forma, este trabalho teve como objetivo analisar as possibilidades e limites de formação, com o envolvimento da comunidade escolar, de uma Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida (COM-VIDA) no Centro Territorial de Educação Profissional do Sisal. A intervenção foi organizada em etapas. Num primeiro momento foi realizada uma análise do Projeto Político Pedagógico. Em seguida realizou-se um encontro com coordenadores pedagógicos e gestores da instituição para apresentação dos resultados encontrados. Após esta etapa foi realizada uma reunião com os membros do colegiado escolar para apresentação da proposta de formação da Comissão. Foi proposta e aprovada pela equipe gestora e pedagógica a revisão do PPP para a inserção da temática da sustentabilidade em seu marco teórico. Após a discussão com os representantes do colegiado sobre as possibilidades e obstáculos para a implantação da COM-VIDA concluiu-se a plenária com a definição de que a comunidade escolar junto com a comunidade externa iriam se unir na busca de soluções para os obstáculos apontados e que iriam ser encaminhados os passos para a implantação da Comissão. Todo o processo de formação da COM-VIDA se baseará nos princípios dialógicos da educação ambiental.


Palavras-chave


Educação Profissional, Educação Ambiental, Sustentabilidade.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


BRASIL. Formando COM-VIDA. Ministério da Educação/Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Coordenação Geral de Educação Ambiental. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/publicacao7.pdf , Acessado em Janeiro/2018. 2004.

BRASIL. Programa Nacional de Educação Ambiental. 3 ed. Ministério do Meio Ambiente, Diretoria de Educação Ambiental. Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental. Disponivel em: https://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/pronea3.pdf. Acessado em Janeiro/2018. 2005.

BRASIL. Programa Mais Educação Passo a Passo. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/passoapasso_maiseducacao.pdf. Acessado em Janeiro/2018. 2011.

BRASIL. Vamos cuidar do Brasil com escolas sustentáveis: educando-nos para pensar e agir em tempos de mudanças socioambientais globais. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão/Ministério da Educação. Ministério do Meio Ambiente. Disponível em: http://www.seduc.go.gov.br/documentos/nucleomeioambiente/material2013/caderno.pdf. Acessado em Janeiro/2018. 2012.

Ciavatta, M. A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. In: Frigoto, G.; Ciavatta, M.; Ramos, M. (Org.). (2005). O ensino médio integrado: Concepção e contradições. São Paulo: Cortez.

Dias, G.F.(1994). Educação ambiental: princípios e práticas.( 4. Ed). São Paulo: Gaia.

Franco, T. (1996). Serrinha: A colonização portuguesa numa cidade do sertão da Bahia. Salvador: EGBA /Assembléia Legislativa do Estado.

Guimarães, M. (Org.). (2006). Caminhos da educação ambiental: da forma a ação. Campinas, SP: Papirus.

Heidemann, I. B.S.; Boehs, A. E.; Wosny, A.M.; Stulp, K.P.(2010). Incorporação teórico-conceitual e metodológica do educador Paulo Freire na pesquisa.Rev. bras. enferm. [online], v, 63, n. 3, p. 416-420.

Jacobi, P. R.; Tristão, M; Franco, M. F. G. C. (2009). A função social da educação ambiental nas práticas colaborativas: participação e engajamento. Cad. Cedes, Campinas, v. 29, n. 77, p. 63-79, jan./abr. 2009.

Machado, L.R. de S.(2010). Organização da educação profissional e tecnológica por eixos tecnológicos. Linhas Críticas, Brasília, DF, v. 16, n. 30, p. 89-108, jan./jun.

Minayo, M. C. de S.(2004). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8. ed. São Paulo: Hucitec.

Oliveira, S. L. de. (1997). Tratado de metodologia científica: projetos de pesquisas, TGI, TCC, monografias, dissertações e teses. São Paulo: Pioneira.

Penteado, T. C. Z.; Guzzo, R. S. L. (2010).Educação e psicologia: a construção de um projeto político-pedagógico emancipador. Psicol. Soc. [online], v. 22, n. 3, p. 569-577.

Santana, J. S. da S.; Nascimento, M. A. A. do (Org.). (2010). Pesquisa: métodos e técnicas de conhecimento da realidade social. Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana.

Sato, M. (2001) Apaixonadamente pesquisadora em educação ambiental. Revista Educação: Teoria e Prática, v. 9, n. 16, p. 24-35, jan./jun.

Saviani, D. (1991).Escola e Democracia. 25 ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados.

Sorrentino, M. et al. (2005).Educação ambiental como política pública. Educ. Pesquisa. São Paulo, v. 31, n. 2, p. 285-299, Aug.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 JACKELINE LISBOA SANTOS, SILVANEI LEANDRO CARNEIRO

Educação Ambiental (Brasil) | ISSN: 2675-3782

Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn