Utilização de animações como metodologia ativa no ensino da Educação Ambiental

Damiao Sampaio de Sousa, Amanda Stefani Ferreira meneses, Francisco Rogênio da Silva Mendes, Márcia Machado Marinho, Sandro Olímpio Silva Vasconcelos, Emmanuel Silva Marinho

Resumo


As animações como ferramenta pedagógica colabora para ensino de diversas disciplinas presentes no currículo escolar, além de promover interação, participação e inclusão dos alunos na sala de aula através de uma história contada, contribuindo em várias escalas sejam elas étnicas, culturais ou sociais. Este artigo tem por objetivo avaliar a utilização de animações como recurso pedagógico em sala de aula para a discussão sobre a importância da educação ambiental na formação de indivíduos críticos e conscientes. A partir de pesquisas anteriores realizadas no âmbito do Projeto de Extensão: Preservação da água, conhecer para cuidar em Limoeiro do Norte- CE, destinado à promoção de ações práticas e educativas voltadas a essa temática, verificou-se a ausência de materiais e métodos que viabilizassem o ensino da educação ambiental de forma dinâmica, criativa e crítica. Buscando compreender essa questão de modo propositivo, o estudo fundamentou-se no uso de animações como instrumento pedagógico no ensino da educação ambiental. Para discutir a viabilidade do material e da proposta, realizou-se a aplicação de questionário qualitativo-descritivo por meio eletrônico. Os resultados descritos nessa pesquisa tendem a considerar a utilização das animações como recurso pedagógico para o ensino da educação ambiental como promissora, devido sua aplicabilidade e acessibilidade para todas as modalidades de ensino.


Palavras-chave


Animações. Ensino. Educação Ambiental. Metodologia Ativa. Formação Docente.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARA (IPECE). Perfil das regiões de planejamento Vale do Jaguaribe. 2017. Disponível em: < http://www2.ipece.ce.gov.br/estatistica/perfil_regional/2017/PR_Vale_do_Jaguaribe_2017.pdf >. Acesso em setembro/ 2020. 2017.

ANDRADE, L. L.; SCARELI, G.; ESTRELA, L.. As animações no processo educativo: um panorama da história da animação no Brasil. (2012, 22 a 24 de setembro). VI Colóquio Internacional “Educação e contemporaneidade”. São Cristóvão, Se, Brasil. 15.

ANANIAS, N.T; MARIN, A.D.G. (2014). O trabalho docente no ensino fundamental: o tema água e a educação ambiental em questão. In: Congresso Nacional de Formação de Professores. Universidade Estadual Paulista (UNESP), p. 2766-2778.

ARAÚJO, S.M.S. (2011). A região semiárida do Nordeste do Brasil: questões ambientais e possibilidades de uso sustentável dos recursos. Rios Eletrônica-Revista Científica da FASETE, v. 5, n. 5, p. 88-98.

BARROS, A. A. et al. (2019). Cinema na escola: O uso do filme Wall-E para o trabalho com educação ambiental. Educação & Linguagem, v. 2, n. 6, p. 84–92.

BRASIL. Constituição Federal da República, de 27 de abril de 1999. Lei nº 9795. Dispõe Sobre A Educação Ambiental: Institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília, DF: 28 abr. 1999. Disponível em:

. Acesso em agosto/ 2020. 1999.

CABRAL, M. I.; NOGUEIRA, E. M. (2019). Diálogo entre cinema e Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), v. 14, n. 4, p. 106–119.

CARR, J.; DOMICIANO, C. L.; LANDIM, P. (2019). Animação educativa infantil no Brasil: Um panorama mercadológico e acadêmico. CIDI2019BH, p. 744–756, Belo Horizonte, MG, Brasil. 757.

CHAGAS, A. T. (2000). O questionário na pesquisa científica. Administração online, v. 1, n. 1, p. 1–14.

COSTA, M. C. et al. (2020). Contextualização do uso racional da água pelas escolas públicas de Limoeiro do Norte (Ceará-Brasil): Experiência formativa na Extensão Universitária. Revista Brasileira de Meio Ambiente, v. 8, n. 1, p. 30–42.

CYSNEIROS, P.G. (2010). Interação, tecnologias e Educação. Texto impresso.

DE OLIVEIRA, H. T. (2007). Educação ambiental–ser ou não ser uma disciplina: Essa é a principal questão?!. Conceitos e práticas em educação ambiental na escola, p. 103.

FERRAZ, L. D. O. M.; CAVALCANTI, V. R. (2006). História e cinema: Luz, câmera, transposição didática. História & Ensino, v. 12, 157-168.

FOSSATTI, C. Cinema de Animação: Uma trajetória marcada por inovações. (2009, 19 a 21 agosto). 7° Encontro Nacional de História da Mídia, p. 1–21. Fortaleza, CE, Brasil. 21.

FREITAS, N.T.A; MARIN, F.A.D.G. (2015). Educação Ambiental e água: concepções e práticas educativas em escolas municipais. Nuances: estudos sobre Educação.

GOMES, A. (2008). História da animação brasileira. Cena: Centro de análise do cinema e do audiovisual.

JÚNIOR, S. D.; COSTA, F. (2014). Mensuração e Escalas de Verificação: uma Análise Comparativa das Escalas de Likert e Phrase completion. XVII SemeAd - Seminários em Administração, p. 1–16.

LORENZON, D.; SCHEID, N. M.; SOARES, B. Os filmes e os estudos de educação ambiental. (2014, 27 a 29 de novembro). IV Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia. Ponta Grossa, PR, Brasil. 10.

NERY, A. S.; PEREIRA, W.; SILVA, J. A. (2020). As potencialidades da animação O Rei Leão como recurso didático no ensino de ciências e biologia. Revista A Bruxa, v. 4, n. 1, p. 1–8.

SCHORN, S.; SANTOS, E. Cinema: Instrumento pedagógico na educação emocional. (2016, 24 a 27 de julho). XI ANPED SUL, p. 1–13. Curitiba, PR, Brasil. 13.

SEABRA, L. A.; GONÇALVES, L.; JUNIOR, A. F. N. (2013). A utilização do filme DERSUS UZALA na formação de professores para a construção de uma visão crítica da educação ambiental. Periódico Eletrônico Fórum Ambiental da Alta Paulista, v. 9, n. 6, p. 96–104.

SILVA, G. H.; CASTRO, A.; FESTOZO, M. (2018). Um Diálogo Entre o Filme “O menino e o mundo” e a Educação Ambiental Crítica na Formação de Professores. Periódico Eletrônico Fórum Ambiental da Alta Paulista, v. 14, n. 3, p. 79–88.

SIQUEIRA, J. L. (2019). Cinema e educação: Filmes em animação como recurso pedagógico. Revista Cientifica Semana Acadêmica, p. 1–15.

SOUSA, D. et al. (2020). Formação docente e a atividade extensionista- A abordagem da temática água nas escolas públicas do município de Russas-Ce. Revista Brasileira de Assuntos Interdisciplinares- REBAI, v. 7, n. 1, p. 41–60.

SOUZA, F.; GUIMARÃES, L. (2013). Filmes nas salas de aula: as ciências em foco. Textura - Ulbra, v. 15, n. 28, p. 99–110.

TUFTE, B.; CHRISTENSEN, O. (2009). Mídia-Educação – entre a teoria e a prática. Perspectiva, v. 27, n. 1, p. 97–118.

VARANI, A.; CHALUH, L. (2008). O uso do filme na formação de professores. ETD - Educação Temática Digital, v. 10, n. 1, p. 1–23.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Damiao Sampaio de Sousa, Amanda Stefani Ferreira meneses, Francisco Rogênio da Silva Mendes, Márcia Machado Marinho, Sandro Olímpio Silva Vasconcelos, Emmanuel Silva Marinho

ISSN: 2675-3782

Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn